segunda-feira, 28 de novembro de 2011

VENCENDO AS TENTAÇÕES (Estudo Bíblico)



Mateus 4.1-11
1 -  Então, foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.
2 – Tendo jejuado, quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome;
3 – E, chegando a ele o tentador, disse: Se tu és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.
4 -  Ele, porém, respondendo disse: Está escrito:  Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus.
5 – Então o diabo o transportou a Cidade Santa, e colocou-o sobre o pináculo do templo,
6 – E disse-lhe:  Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo, porque está escrito:  Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, e tomar-te-ão nas mãos, para que nunca tropeces em alguma pedra.
7 – Disse-lhe Jesus:  Também está escrito:  Não tentarás o Senhor, teu Deus.
8 – Novamente, o transportou o diabo a um monte muito alto, e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles.
9 – E disse-lhe:   Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.
10 – Então, disse-lhe Jesus:  Vai-te, satanás, porque está escrito:   Ao Senhor teu Deus adorarás e só a Ele servirás.
11 – Então, o diabo o deixou; e eis que chegaram os anjos e o serviram.


Palavra Introdutória:
Jesus tinha sido ungido pelo Espírito Santo para a Obra de seu glorioso Mnistério terrreno.   Jamais aquela parte do Jordão tinha vivenciado uma cena tão maravilhosa como a do Seu Batismo:  Os céus se abriram, o Consolador derramou sua Unção sobre Jesus e o Pai proclamou em alto e bom som a sua filiação divina (Mt 3.16,17).
Em ato contínuo, o Espírito Santo o conduz para um cenário completamente diferente; Jesus é levado ao deserto para ser tentado pelo diabo.    Mateus 4.1  Então Jesus foi levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.   Revelando a cada um de nós, que o mesmo Espírito que nos unge, também nos leva ao campo de prova, ao deserto, onde grandes desafios nos confrontam e provam a nossa fé em Deus.
O rei de Israel e salmista Daví, fala-nos desta verdade no Salmo 23.5;  quando o Espírito do Senhor nos unge para a guerra:  Preparas uma mesa na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, meu cálice transborda.
Somos ungidos pelo Espírito para as grandes batalhas da vida, na certeza plena da vitória que temos em Cristo (1 Co 15.57)(1 Jo 5.4)(Lc 10.19)

A menção de quarenta dias e quarenta noites é significativa:
§  Lembramos que Moisés  jejuou quarenta dias e quarenta noites no Monte Sinai, diante de Deus, quando ele recebeu as tábuas da Lei.   E esteve alí com o Senhor quarenta dias e quarenta noites;  não comeu pão, nem bebeu água... (Ex 34.28)
§  Elias caminhou  quarenta dias e quarenta noites, com a força da comida concedida pelo por anjo de Deus.  Levantou-se, pois, e comeu e bebeu;  e com a força daquela comida caminhou quarenta dias e quarenta noites até Horebe, o monte de Deus.(1 Rs 19.8)
§  Israel peregrinou sob o cuidado de Deus quarenta anos no deserto.  Nunca se envelheceu o teu vestido sobre ti, nem se inchou o teu pé estes quarenta anos. (Dt 8.4)  
§  O dilúvio perdurou por 40 dias e 40  noites.    E houve chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites. (Gn 7.12) 
 No caso de Jesus, foram 40 dias de total consagração a Deus pelo jejum, oração e meditação. Muitos estudiosos acreditam que Jesus tenha bebido água durante este período, baseados no texto que diz:  E tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois, teve fome.(Mt 4.2).   Não diz que teve sede. 
O corpo humano sobrevive muitos dias sem alimento,  mas, não por muitos dias, sem a hidratação da água.   Bem verdade, é que por uma intervenção sobrenatural de Deus, como foi o caso de Moisés que por quarenta dias, não comeu pão, nem bebeu água (Ex 34.28).  Não discordando da grande maioria dos estudiosos da Bíblia;  mas, o mesmo pode ter ocorrido com Jesus.

§  Jesus nos ensina, que para se enfrentar o inimigo e seus ardís, é necessário estar sempre em consagração a Deus (Mt 17.21). 
§  Tiago por sua vez dá uma receita infalível para vencermos o diabo (Tg 4.7):
a)      Sujeitar-se a Deus
b)     Resistir ao diabo
Muitos caem derrotados diante do astuto tentador, porque atendem somente uma parte:  Na hora do ataque maligno, procuram resistir o diabo;  mas, por não estarem sujeitos a Deus (isto é, submissos a Deus), são vencidos e derrotados.

O Evangelista Mateus nesta passagem,  menciona satanás, destacando três nomes ou termos descritivos: o Diabo (v. 1), o tentador (v. 3) e Satanás (v. 10).
 O termo diabo,  significa caluniador  ou  falso acusador. 
 Paulo diz que se transforma em anjo de luz, com o maligno propósito de enganar (2 Co 11:14).

A tentação de Jesus por Satanás foi uma tentativa de desviá-lo da perfeita obediência a  Vontade de Deus.  Note que Cristo em cada caso, submeteu-se a autoridade  da Palavra de Deus, ao invés de submeter-se aos desejos do diabo (Mt 4.4,7,10) 
Que podemos aprender da tentação de Cristo ?
§  Que Satanás é o grande tentador.  O cristão deve estar consciente de que está numa guerra espiritual contra poderes malignos invisíveis, porém, claramente reais (Ef 6.11,12)
§  Sem o devido emprego da Palavra de Deus, o cristão não pode vencer o pecado e a tentação.  
Como usar a Palavra de Deus para vencer a tentação ?
a)      Reconhecendo que mediante a Palavra de Deus, podemos resistir  a qualquer sedução que Satanás apresente (Ef 6.17)
b)      Guardando a Palavra de Deus (Jo 14.23)(Ap 1.3)
c)      Meditando a Palavra de Deus (Sl 1.2)(Dt 6.7)(Sl 119.48)
d)     Escondendo a Palavra de Deus no coração (Sl 119.11)

No deserto, Jesus Cristo experimentou da parte do diabo uma terrível tentação em tres fases distintas. Cada uma delas com características bem definidas e com malignos propósitos para derrotar o Filho de Deus.            
A partir desta cena, podemos aprender com Jesus como vencer as tentações.A tentação de Jesus no deserto em tres situações distintas, nos reporta para tres grandes lições espirituais para nossas vidas, e o Senhor Jesus nos ensina como sermos vencedores.
  1. A TENTAÇÃO DE TRANSFORMAR PEDRAS EM PÃES
1.1  Jesus foi tentado pelo diabo, no sentido de usar o seu poder para proveito próprio:  transformar pedras em pães no momento de intensa fome (Mt 4.1-4)     
O objetivo de satanás era produzir na mente de Jesus,  que aquelas pedras, se Ele quisesse se tornariam em apetitosos pães .  O ataque do inimigo foi exatamente em uma área carente de Jesus naquela hora – pois,  estava faminto. 
 Lembremo-nos que a queda de toda a raça humana, começou através de uma tentação que apelava para a satisfação pessoal, em detrimento da obediencia a Deus:  Genesis 3.6, nos diz    E, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer,  e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento;  tomou do seu fruto, e comeu,  e deu também a seu marido,  e ele comeu com ela.
Satanás tenta apelar para o que era uma necessidade real: a fome física de Jesus naquela hora.
Jesus responde à tentação de Satanás citando as Escrituras (Dt 8.3), usando a espada do Espírito (Ef 6.17). A Palavra estava em seu coração, como espada guardada na bainha. E, no momento certo, tira-a da bainha e enfrenta o tentador.   De igual modo, devemos esconder a Palavra de Deus em nossos corações (Sl 119.11)(Jo 14.23)(Cl 3.16).
Jesus estava ciente a necessidade de alimento para sustentar o corpo físico. Em várias ocasiões,  em seu Ministério, Ele alimentou seus discípulos e as multidões(Mt 14.13-21; 25.35) ( João 21.5-9).  Mas, dois fatos devemos considerar:
§  Primeiro: Jesus nos ensina a termos uma correta escala de prioridades.   Alimentar a alma primeiro, depois, o corpo físico (Mt 4.4;  6.33)(Jr 15.16)(Sl 119.103)(Lc 10.38-42)
§  Segundo:  Jesus nos ensina que importa obedecer a Deus e nunca ao diabo (Jo 8.44)(At 5.29)(1 Sm 15.22)

1.2  A vida proposta por Cristo é conhecida pela renúncia de nossas vontades e pela obediencia a Deus.
A Palavra de Deus nos diz que, ao término dos 40 dias de jejum, Jesus teve fome.   O adversário, aproveitando-se do momento de debilidade física de Jesus, o desafia para que transformasse pedras em pães.   Foi um maligno intento, de fazer Jesus se render ao que sua natureza humana mais necessitava.
Nesta era conhecida como Pós Moderna,  onde a ênfase hedonista convida a todos nós, para a satisfação de todos os desejos de nossa carne;  a Palavra de Deus vem na contra mão deste maligno apelo, nos exortando a uma vida de santificação e renúncia:
§  Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus, Nosso Senhor.   Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências.  Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade;   mas, apresentai-vos a Deus, como vivos dentre os mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. (Rm 6.11-13)
§  Já estou crucificado com Cristo; e vivo,  não mais eu,  mas, Cristo vive em mim;   e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim.(Gl 2.20)

Três lindas verdades a respeito do crucificado com Cristo:
§  O crucificado não tem dominio sobre si (Gl 2.20;  6.14)
§  O crucificado não pode olhar para trás – Agora vive uma nova vida (2 Co 5.17)
§  O crucificado não toca com os pés no chão – Isto fala de sua nova posição em Cristo;  assentado nos lugares celestiais (Ef 2.6)
 
1.3 A Resposta de Jesus ao diabo: Está Escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus. (Mt 4.4)
Jesus nos ensina que para se vencer as tentações, precisamos priorizar a Palavra de Deus em nossa vida.   Ele está nos revelando que somente através da Palavra de Deus é que podemos vencer.
      Porque a Palavra de Deus é arma de Vitória ?
§  Porque a  Palavra de Deus permanece para sempre (Mt 24.35)(Sl 119.89)
§  Porque  a Palavra de Deus é viva e eficaz (Hb 4.12)
§  Porque a Palavra é a fonte da verdadeira fé (Rm 10.17)
§  Porque a Palavra de Deus é martelo e fogo divino (Jr 23.29)
§  Porque a Palavra de Deus é poder sarador (Sl 107.20)(Mt 8.8)
§  Porque  a Palavra de Deus não volta vazia (Is 55.11)
§  Porque  a Palavra de Deus é a espada do Espírito (Ef 6.17)(Sl 149.6)

O querido amigo, pastor Eliseu Menezes, certa vez relatou-me, que foi chamado para expulsar um demônio, que atormentava um homem.  Ao chegar,  foi instruído por Deus para citar textos da Bíblia, que falam da vitória de Jesus sobre o diabo.  Começou citando Gênesis 3.15,  João 19.30, Apocalipse 12.11, etc. 
De repente, o demônio começou a chorar copiosamente, e disse:
- Eu sabia que ia perder! Eu sabia que ia perder !...
Pastor Eliseu,  com autoridade de Deus o explusa dizendo:
- E, vai perder sempre!  Sai dele em Nome de Jesus!
E, o homem foi totalmente liberto na mesma hora.
  1. A TENTAÇÃO NO PINÁCULO DO TEMPLO  (Mt 4.5-7)
2.1       A cena desta tentação não é o terrível deserto, mas em ambiente religioso e sagrado – o Templo,  e mais precisamente o pináculo.   O termo significa a parte mais alta de um edifício.   Jesus agora é tentado na parte mais alta do Templo.
2.2       A tentação no pináculo do Templo – fala de tentações dentro do ambiente religioso e sagrado.    Enganam-se os que dizem que ingressar no Reino é estar imune de todo e qualquer ataque satanico, mundano e carnal.  A exemplo vemos nosso Salvador Jesus, sendo atacado por satanás no lugar da adoração – o Templo.                   
Uma outra importante lição podemos colher  desta parte mais alta do Templo:   Quanto mais alto subimos, maior deve ser o nosso cuidado.   Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe que não caia  (1 Co 10.12).    Devemos orar uns pelos outros, e nos fortalecer na Fé em Cristo mutuamente; mas, devemos interceder principalmente por nossos líderes espirituais e por aqueles servos de Deus que estão em destaque no Reino de Deus, e que estão fazendo um grande trabalho para Deus.  Oremos por aqueles que ocupam o pináculo do Templo,  jamais cedam as tentações que são constantes.
2.3       A proposta do diabo para que Jesus se atirasse do pináculo do Templo estava recheada de Bíblia.      
Satanás conhece as Escrituras mais do que muita gente;  ele citou para Jesus o Salmo 91.11, 12  Porque aos seus anjos dará ordem a teu respeito,  para te guardarem em todos os teus caminhos.  Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não tropeces com o teu pé em pedra.
Ambiente religioso somado a citações bíblicas;  neste cenário Jesus foi tentado.  Não é diferente com todos os filhos de Deus, que diurtunamente servem ao Senhor em sua Casa.  Portanto, precisamos redobrar a vigilancia, e que jamais venhamos a sucumbir (Mt 4.7)
Tres tipos de queda do pináculo do Templo:
§  Queda provocada  por  tropeço moral (1 Sm 11.1-4)(Pv 5.1-20)(1 Co 6.8)(Hb 13.4)
§  Queda provocada  por tropeço financeiro (Jo 12.6)(1 Pe 5.2)(1 Sm 12.1-5)(At 20.33-35)
§  Queda provocada  por tropeço doutrinário (1 Tm 4.1-5)
Ora, Àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar e apresentar-vos irrepreensíveis, com alegria, perante a sua glória. (Jd 24)

  1. A TENTAÇÃO DE AMAR O MUNDO (Mt 4.8-11)
3.1       Nesta tentação satanás tem o objetivo de vencer Jesus pela visão
Astutamente de um alto monte, onde a visibilidade é maior, descortina diante dos olhos de Jesus – os reinos deste mundo e a glória deles (Mt 4.8).   
§  Esta maligna estratégia é muito antiga, tentação pela visão (Gn 3.6).   
§  Ló foi seduzido pela visão da campina do Jordão (Gn 13.10,11).
§  Acã desobedeceu a Deus porque foi vencido por sua gananciosa e carnal visão (Js 7.21), e vemos neste texto os 4 pecados que levaram Acã a morte :
1º.) Quando vi entre os despojos... (visão corrompida).  
2º.) Cobicei-os (coração pervertido)     
3º.) Tomei-os (atitude pecaminosa)    
4º.) E eis que estão escondidos na terra... ( Falta de temor de Deus).

3.2       No Sermão do Monte, Jesus nos ensina que a candeia do são os olhos. E que se os nossos olhos forem bons, todo o nosso corpo terá luz (Mt 6.22,23).
Salomão identificou em sua experiência própria, que a visão do homem, é insaciável por natureza:   ...os olhos não se fartam de ver... (Ec 1.8).  
Portanto, precisamos ter olhos convertidos a Deus (Ap 3.18)(Hb 12.2)(Sl 123.1)

3.3       Nesta tentação o diabo revela o seu maior desejo – Ser adorado por Jesus
O verbo adorar de nosso texto bíblico em pauta:  Tudo isto te darei, se prostrado me adorares. (Mt 4.9),  é a palavra grega  proskuneo, que dá a idéia de curvar-se a tal ponto de beijar os pés.    Notai o atrevimento de inimigo;  que imediatamente recebe a resposta vitoriosa do Senhor Jesus, dizendo a ele, que este tipo de adoração, somente Deus é digno de receber.   Vai-te satanás, porque está escrito:  Ao Senhor adorarás e só a Ele servirás.  (Mt 4.10)

Pontos importantes a considerar neste estudo da Tentação de Cristo no deserto por satanás:
§  Jesus foi tentado em tudo, mas sem pecado (Hb 4:15); isto é, em toda sua vida nesta terra, sofreu a tentações, mas venceu-as todas.
§  Que o tentador, procura um momento para nos tentar e destruir (Mt 4.1-3), o dia mau, descrito por Paulo (Ef 6.13)
§  Que Jesus nos ensina, a nunca usarmos as nossas próprias forças para vencer as tentações,  mas, usar sempre a poderosa Palavra de Deus. Ao ser tentado,dizia: Está Escrito. (Sl 149.6)(Ef 6.17) (2 Co 10.4)

CONCLUSÃO:
Nestes tres cenários da tentação de Jesus no deserto pelo diabo, vemos nitidamente, que Jesus foi tentado em tres áreas, tão bem descritas pelo apóstolo João em sua Primeira Carta:  Porque tudo o que há no mundo, a concupiscencia da carne,  a concupiscencia dos olhos e a soberba da vida,  não é do Pai,  mas do mundo.  (1 Jo 2.16).
§  Quando o diabo tentou Jesus para que este transformasse pedras em pães (tentação da concupiscencia ou a cobiça da carne); quando tentou Jesus para que este se atirasse do pináculo do Templo (tentação da soberba da vida) e quando tentou Jesus do alto do monte (tentação da concupiscencia ou cobiça dos olhos).    
Mas, glória a Deus, nosso Jesus as venceu todas estas tentações pelo poder da Palavra de Deus (Mt 4.4, 7, 10).
§  Jesus nos ensina a vencermos as tentações, sendo fiéis a Deus e jamais nos apartando de sua Palavra; a poderosa arma contra satanás e seus ataques infernais.


§  IDENTIFICANDO O TENTADOR NA BÍBLIA:
diabo - (Mt 4.1; Ef 6.11)
antiga serpente - (Ap. 12.9; 20.2)
dragão - (Ap 12.3-17; 13.2-4)
príncepe das potestades do ar - (Ef 2.2)
deus deste século - (2Co 4.4)
príncepe deste mundo - (Jo 12.31; 14.30; 16.11)
satanás - (1Cr 21.1; At 5.3; 2Co 11.14)
acusador - (Ap 12.10)
ladrão (Jo 10.10)
homicida - (Jo 8.44)
mentiroso e pai da mentira - (Jo 8.44)

espírito que opera nos filhos da desobediência - (Ef. 2.2)
belial - (Dt 13.13; Jz 20.13; 1Sm 2.12; 10.27; 25.17; 30.22; 1Rs 21.13; 2Cr 13.7)


Pastor Marcos Antonio

Nenhum comentário: